terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Ts 1: O que faz uma igreja madura

Quando comecei a escrever os devocionais aqui no blog, postei primeiro alguns textos sobre Tessalonicenses. Se vc buscar aí na lateral os posts de Julho, vai identificá-los. E um desses posts tem como um de seus versos base os mesmos que uso abaixo, mas agora olhando mais profundamente por um ponto específico. Segue:

"Sempre damos graças a Deus por vós todos, fazendo menão de vós em nossas orações, lembrando-nos sem cessar da obra da vossa fé, do vosso trabalho de amor e da vossa firmeza de esperança em nosso Senhor Jesus Cristo, diante de nosso Deus e Pai, reconhecendo, irmãos, amados de Deus, a vossa eleição".
I Ts 1.2-3

A igreja de Tessalônica, como disse no post anterior, era uma igreja madura. Paulo combate problemas relevantes ali, mas ainda assim é uma das igrejas mais elogiadas pelo Apóstolo em suas cartas. Essa maturidade é mostrada em todo o texto, mas os versos acima deixam isso claro para nós.

Paulo entendia por certa a vocação daqueles irmãos. O amor e a dedicação deles ao ministério atestavam sua eleição e salvação, como dizem esse e outros textos ainda da carta. Sobre isso se trata um dos posts anteriores dos quais falei. Se quiser lê-lo agora, clique aqui. E repare no que foi dito pelo autor nos versos que lemos a respeito dessa tão elogiada fé tessalonicense: eles tinham ação, pois Paulo lhes diz lembrar-se sempre da "obra da vossa fé". Conseguiam praticar o amor que diziam viver, como segue dizendo o mesmo verso transcrito acima, e sua esperança da volta da Cristo era firme e certa.

Obviamente, não poderíamos montar a partir daqui um questionário para medir a maturidade da fé ou a salvação de um e outro, mas podemos inferir que de fato, uma pessoa madura na fé e verdadeiramente salva, manifestará essas características.

Não dá pra imaginar um verdadeiro discípulo de Cristo se contentando em ir à igreja nos fins-de-semana sem colocar sua fé em prática através do serviço e da evangelização. Assim como também não se verá um cristão sério dizendo que foi alcançado pelo amor de Deus, mas que não consegue amar ao seu próximo com o mesmo amor que diz ter recebido. E quanto à esperança da volta de Cristo? Algumas brincadeiras que comumente ouvimos no meio cristão demonstram grande imaturidade. E quem te fala isso não é alguém sério demais, pelo contrário. Mas aposto que você já ouviu alguém dizer (ou você mesmo disse) que Jesus não poderia voltar antes de seu casamento, aquisição disso ou daquilo, formatura, conquista A ou B, etc.

Se temos consciência real do que representa a volta de Cristo, a redenção completa da humanidade, a libertação total das amarras que a queda nos trouxe, somos capazes de trocar qualquer coisa por esse esperado momento. E a fé tessalonicense demonstrava essa esperança viva.

Se olharmos para o nosso cristianismo hoje, veremos uma vivência que demonstra ação, prática do amor e esperança viva? Esse modelo na igreja para a qual Paulo escreve foi capaz de tirar-lhe um elogio da pena. Eu espero que possamos ter o Senhor olhando para nós com seus bons olhos e da mesma forma se alegrando com nossa fé.

Nenhum comentário: