sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

I Ts 3: Sofrimento: uma certeza para a caminhada cristã

"Nivton, os textos do seu blog são para aproximar as pessoas de Cristo ou afastá-las?"

Sim, considerando o título deste texto, reconheço que poderia ouvir a pergunta acima. E a resposta seria que os textos têm a intenção de nos aproximar de um Cristo verdadeiro, que não promete o que não cumpre e nem está nos chamando a viver no País das Maravilhas.

Olhei para o capítulo 3 de Tessalonicenses um bom tempo antes de começar a escrever aqui. Apesar de ser um trecho curto e objetivo, que conta sobre a motivação de Paulo e dos seus em enviar Timóteo para se informar sobre os tessalonicenses, há muito o que podemos aprender aqui. A começar sobre a confiança da qual Timóteo era digno, que nos é exemplar. Fosse ele alguém negativo, pessimista, com uma visão distorcida da realidade, como daquelas pessoas que, após se tornarem (ou se dizerem) cristãs, passam a ver tudo como problema, ele certamente não teria sido enviado àqueles irmãos. Mas o foi e Paulo sabia que seu relato seria fiel. E o que ele conta alegra o Apóstolo a  respeito daqueles irmãos.

Ainda aprendemos que o pecado tem o poder de destruir com facilidade o que com muita dificuldade é construído. O verso 3.5 diz que Paulo temia que os irmãos dali fossem tentados e o seu trabalho se tornasse vão. E também vemos um excelente exemplo de uma igreja madura e sadia, que alegra ao seu pastor. A satisfação de Paulo ao escrever toda a carta, e este capítulo com destaque, é de encher os olhos. Espero que meu pastor tenha razões para manter um olhar como esse sobre mim.

Um princípio, porém, me chama muito a atenção e à ele gostaria de dedicar nossa principal temática. Os versos 3.1-4 dizem:

"Pelo que, não podendo suportar mais o cuidado por vós, achamos por bem ficar sozinhos em Atenas, e enviamos Timóteo, nosso irmão, ministro de Deus e nosso cooperador no evangelho de Cristo, para vos confortar e vos exortar acerca da vossa fé, para que ninguém seja abalado por estas tribulações (a prisão e o sofrimento de Paulo e de seus companheiros). Vós mesmos sabeis que para isto fomos destinados. Com efeito, estando ainda convosco, predissemos que íamos ser afligidos, como sucedeu, e vós o sabeis."

Gostaria que algum teólogo (se assim o puder chamar) da prosperidade me respondesse a respeito do que Paulo disse nesses versos. Para ele, o sofrimento estava seguramente marcado em sua agenda, fazia parte do "plano de vôo". O termo grego usado para dizer que eles estavam destinados é "keimai", que pode significar estar destinado, apontado para, certamente designado a; não há engano na nossa tradução. Era certo que, aqueles pregadores do evangelho inteiramente dedicados à causa de Cristo, sofreriam em sua caminhada.

Se as tribulações fariam parte da viagem do Apóstolo Paulo, que dedicava-se ao Senhor com todas as forças, literalmente dando sua vida para que o evangelho fosse pregado, com que fundamento está sustentada a ideia de que qualquer que diz confiar em Cristo não padecerá dificuldades?

Me lembro de um vídeo que, de tão absurdo chega a ser engraçado. Dêem uma olhada abaixo e riam comigo. Trata-se de um trecho, cujo recorte não compromete o sentido do todo, da pregação do pastor da igreja que possui no mínimo, o maior lugar de reuniões dos EUA, a Lakewood Church. O Pr. Mark Driscoll, que noutra mão é pastor de uma das igrejas mais sadias de que já ouvi falar, comenta com muita propriedade e bom humor sobre sua mensagem. Vejam o vídeo:


A vida cristã contém também seus percalços. O contrário só seria possível se vivêssemos num mundo perfeito, o que de forma alguma é verdade. Tem alguém em sua família ou conhece alguém, cristão, que tenha morrido de câncer, por exemplo? E que justiça há nisso? Conheci pessoas maravilhosas que sofreram e padeceram desse mal. O pecado que trouxemos à realidade da criação em Adão corrompeu tudo o que existe, fazendo da nossa realidade não-ideal em si mesma. E só a redenção final em Cristo dará jeito nisso. O erro grosseiro da teologia da prosperidade é querer trazer os efeitos dessa redenção final, que se dará na sua segunda vinda, para a nossa vida hoje. Por isso a T.P. é assassina da esperança real que devemos ter em Cristo.

Ser cristão não garante isenção das lutas dessa vida. Pelo contrário, muitas vezes. Há quem sofreu, sofre e sofrerá bastante, justamente por ser cristão e isso se lhe tornar causa de perseguição por parte de outros. Mas a recompensa na eternidade vale a pena! Paulo sabia pelo que lutava, por isso não desfalecia. E nos anima sempre, como temos visto em seus escritos. Ele falava com propriedade, pois o fazia com todo o conhecimento de causa possível.

Renovemos as nossas forças e sigamos o caminho que nos está proposto. Deus, em Jesus, é quem nos fortalece, pois é ele mesmo quem nos propõe tal caminho. E mais importante do que não ter dificuldades na viagem, é saber que o próprio Senhor está conosco nelas. Um caminho tranquilo sem Deus como companhia seria mais atribulado do que o mais complicado ao seu lado. E caminhemos com a esperança real, bíblica, digna, de que um dia estaremos com ele eternamente, e toda lágrima dos olhos, sofrimento e injustiça dessa vida serão findados.

Graças a Deus!

Nenhum comentário: