quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

I Ts 2: Um objetivo ministerial digno

Segundo capítulo da primeira carta de Paulo aos tessalonicenses. Como já disse antes, trata-se da carta mais tranquila que Paulo escreveu. Ele não economiza elogios à igreja de Tessalônica, pois a maturidade daqueles irmãos era notável e exemplar.

Ao ler o segundo capítulo, porém, outro personagem que não os destinatários me salta aos olhos, e é o próprio Paulo. Já escrevi em outro texto sobre a segurança que Paulo tinha por ter trabalhado em prol dos seus com uma consciência livre de qualquer culpa ou medo, principalmente por ter sido extremamente zeloso em não causar nenhuma espécie de incômodo aos que o recebiam enquanto evangelizava. O verso 2.9 diz que ele trabalhou durametne para que não fosse pesado aos bolsos dos irmãos. E o fez enquanto evangelizava, mesmo tendo o direito de usufruir do cuidado daqueles que o recebiam.

Este devocional de hoje é, antes de tudo, um texto para mim. Suponho que você, caro leitor, já tenha lido o capítulo do qual este texto trata. Caso ainda não, sugiro que o faça agora. Abaixo, escrevo uma paráfrase da fala de Paulo, expressando que desejo muito poder, um dia, fazer de suas palavras as minhas. Segue:


"Irmãos, vocês sabem que trabalhamos muito em prol de vocês, mesmo sob muita dificuldade. E também estão certos de que tudo o que lhes ensinamos não foi feito com segundas ou impuras intenções, mas com sinceridade de coração. O Senhor o sabe. Eu, assim como os que comigo tanto trabalharam, não aceitamos nenhuma recompensa humana, mas nos realizamos em ver o cuidado de Deus em vocês e em nós.



Abrimos mão de muita coisa em prol de vocês, mas certos de que essa era a direção de Deus, visando o vosso aperfeiçoamento e salvação. Trabalhamos pelo nosso pão, mesmo podendo repartir do de vocês. Assim, ainda que muito cansados, o Senhor nos sustentou.

Pregamos a vocês o evangelho, mas também compartilhamos da nossa vida com cada um de vocês. A relação de ajuda tornou-se amizade para com muitos. E a vossa postura em relação ao evangelho e ao amor que de nós receberam enche-nos de orgulho. A despeito das dificuldades e das perseguições, as quais foram sofridas e também previstas pelo Senhor, muito pudemos fazer juntos.


E tudo valeu muito a pena. Vocês se tornaram motivo de alegria para nós, por serem frutos que permaneceram e que poderão ser apresentados ao Senhor no grande dia. Por vocês, igreja madura e forte, que já resistiu a muito, estamos certos de que valeu a pena todo o nosso trabalho. Vocês são a nossa coroa diante de Deus".

Trabalhar para o evangelho sem pretensão financeira. Ter as orações respondidas e a segurança de estar fazendo da forma que o Senhor realmente se agrada. Abrir mão de muito, sim, mas para ganhar tudo das mãos do Senhor. Um dia, quero poder dizer ao meu público o mesmo que Paulo disse aos Tessalonicenses. Terei zelado por eles, cuidado, ensinado. E tudo com abnegação por causa de Cristo, não servindo à minha carne e/ou interesses.

Assim, estou certo de que terei tido - e continuarei a ter - um ministério frutífero e relevante. Que cada pastor se espelhe em Paulo, autor do texto. E que cada membro a igreja se espelhe nos irmãos de Tessalônica. Que o Senhor nos dê unidade e nos torne cada vez mais frutíferos, buscando com nosso ministério o bem das nossas ovelhas, não seu proveito..

Nenhum comentário: