terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Ef 1: Dois esclarecimentos sobre a predestinação

Falar de predestinação ou de livre arbítrio é assunto que causa interesse em alguns e que dói os ouvidos a outros. Confesso que meu grande interesse pelo dilema já passou pelo seu ponto mais fervoroso. Hoje estou tranquilo quanto à soberania de Deus, mas sem vigor para debater sobre o tema. Entendo, sem demagogias, que certas discussões em determinados meios mais têm a diminuir do que a acrescentar. Portanto, evito discutir sobre esse e outros pontos polêmicos da fé, a não ser em círculos teológicos.

Sobre o primeiro capítulo de Efésios, gostaria de ressaltar um ponto que pode servir de apoio a muitos que têm nesse dilema teológico um problema sério. Pelo menos até que esse sujeito se dedique a ler com calma a teologia dos reformadores, as obras de Santo Agostinho e de Tomás de Aquino que tocam no tema, as institutas de Calvino, etc.. Aliás, só recomendo ter certeza sobre esse ponto após um acesso relevante a pelo menos essas obras e alguns de seus comentários.

Nos primeiros versos do capítulo após a saudação clássica de Paulo, o tema da predestinação dos santos é abordado com clareza e liberdade. Recordem adiante:

"Pois [Deus] nos elegeu nele [em Cristo] antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante dele. Em amor nos predestinou para sermos filhos de adoção por Jesus Cristo(...)"
Ef 1.4-5

"Nele, digo, em quem também fomos feitos herança, havendo sido predestinados, conforme o propósito daquele que faz todas as coisas, segundo o conselho da sua vontade (...)"
Ef. 1.11

Principalmente nos escritos de Paulo, entendemos que ele não tinha dificuldade em compreender que Deus já havia escolhido quem havia de se salvar na eternidade. Os pormenores disso, como já pretendia fazer, deixo para outro momento. Mas vemos clareza nesse ponto em seus escritos e inclusive nesses, de Ef 1.

Pouco mais adiante no capítulo e temos o seguinte verso:

"É também nele [Cristo] que vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação. Tendo nele crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa, o qual é o penhor da nossa herança, para redenção da propriedade de Deus, em louvor da sua glória."
Ef. 1.13-14

Escrevo este texto simples com uma intenção da mesma natureza: evitar que cometamos um erro grosseiro ao falar sobre predestinação. Este erro é pensar que, uma vez que a predestinação seja verdadeira, os princípios para a fé em Cristo e para a salvação, como fé, arrependimento, confissão e santidade/santificação são desprezados. Em momento algum a Bíblia nos diz isso. Se o pensamos, é culpa de uma lógica errada construída por nós mesmos.

Observem os últimos dois versos acima transcritos. Paulo continua falando àqueles que ele considera terem sido eleitos, predestinados. E diz que eles estão em Cristo, em quem creram após terem ouvido a palavra de Deus, e assim receberam o Espírito Santo, que é a garantia de que seremos resgatados na volta do Senhor. Dois princípios brevemente citados que nos previnem de errarmos: os eleitos precisaram ouvir e creram; após crerem, receberam o Espírito Santo.

Desses dois princípios, duas lições. Primeira, por mais que a eleição seja um fato, devemos pregar o evangelho. Os eleitos só são salvos quando ouvem e creem. E o Senhor nos comissionou à tal tarefa. Negá-la por causa da eleição é incoerente. Segunda lição, que por mais que acredite que seja eleito, predestinado desde a eternidade, não estou isento da responsabilidade de crer. E crer envolve mais do que simplesmente dar crédito de confiança a algo ensinado: envolve compreender a mensagem com clareza, prová-la em nossa mente e aceitá-la com segurança e certeza.

Sou predestinado ou creio que alguém o seja? Então, por isso mesmo, creio no Senhor e levo uma fé séria. Não se justifica uma vida desregrada sob a desculpa da eleição incondicional. Isso é mais um sinal de incompreensão da mensagem do que da soberania de Deus. E também agir de acordo com a fé nesse erro grosseiro mais demonstra a não-salvação de quem a toma por postura do que qualquer outra coisa.

Precisamos aprofundarmo-nos diariamente em conhecer ao Senhor. Isso atesta nossa salvação. E, se temos algum ponto da fé com o qual temos conflito ou dúvidas, é digno de nossa parte estudarmos até termos esclarecimento. Leia, peça ajuda, orientação. Apenas não fique na superficialidade, baseando-se em fundamentos incertos. Ainda que leve tempo, é melhor não ter certas definições, mas estar em sua busca, do que ter certezas apoiadas em nada. Que busquemos e entendamos. E que o Senhor, que quer fazê-lo, nos ajude a sermos coerentes.

Nenhum comentário: