quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

II Co 5: Para entender mais a salvação: reconciliação

O texto deste capítulo fala tanto conosco, que minha vontade é copiá-lo, colá-lo aqui e nem comentá-lo. Apenas para nos situar: Paulo está escrevendo tendo como um dos principais objetivos justificar e defender a integridade de sua pregação e ministério, devido a alguns levantes contra ele na igreja que ele fundara em Corinto. No quinto capítulo, ele começa falando sobre a esperança do cristão, que está na volta de Cristo e na nova vida que teremos com ele. Essa exposição ocupa os versos 1-10.

Em seguida, o Apóstolo fala sobre o objetivo de seu ministério - e da pregação cristã, de forma geral. Paulo está pregando a reconciliação com Deus, que através de Cristo reconciliou consigo todo o mundo. O verso 5.19 diz que Deus estava em Cristo promovendo esta reconciliação, não imputando aos homens os seus pecados. E que a partir de então, a "palavra da reconciliação", que é o evangelho de Cristo, estava sendo pregado.

De toda a exposição de Paulo nesse capítulo, saltam aos meus olhos os seguintes versos:

"Pois o amor de Cristo nos constrange, julgando nós isto: um morreu por todos, logo todos morreram. E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou" - 5.14-15

"Portanto, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram, tudo se fez novo." - 5.17

"Aquele que não conheceu pecado, ele o fez por nós, para que nele fôssemos feitos justiça de Deus" 5.21

Vimos no capítulo anterior que, andando com Cristo, temos uma vida plena, que caminha acima das adversidades. E essa é uma parte maravilhosa do caminho. Agora, Paulo está nos dizendo qual o sentido de decidirmos viver com e para Cristo, que é o fato de termos recebido sua graça sobre nós, a despeito do nosso pecado. Os versos destacados acima nos esclarecem que a entrega de Cristo requer como resposta uma entrega nossa. Ele morreu por nós, nós vivemos para ele. Não há mais nenhuma acusação ou peso do passado, pois ele assumiu nossos pecados na cruz, sendo justo e indigno de condenação, mas o fez em nosso lugar, para que fôssemos vistos como justos por Deus.

Gasto este texto para fazer essa explicação simples, que fala tanto ao meu coração, por entender a necessidade de compreendermos bem o processo da nossa salvação. O evangelho que muitos pregam hoje é tão carregado de promessas de Deus, garantias de prosperidade e bênçãos disso ou daquilo, que muitos estão na igreja sem sequer entenderem o real sentido que esse ato deveria ter. Se "ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou", está claro que a entrega de Cristo por nós precisa ser completamente compreendida, pois ela exige uma resposta à altura. Ninguém é capaz de entregar a própria vida sem ter certeza do que faz, não é mesmo?

Compreendamos, conheçamos e entreguemos nossa vida, esforços, gratidão, devoção, trabalho, suor e tudo o mais que puder ser agradável a Deus e útil para o crescimento do seu Reino. Pois com o sangue de Cristo fomos considerados justos o suficiente para fazermos parte dele. Graças a Deus!

Um comentário:

Ana Cristina disse...

Maravilhosoooooooo!!!!!continue sendo boca de DEUS,saiba que Ele tem te usado grandemente.Continue firme e nunca deixe de falar esta verdade que muitos não conhecem e muitos estão dentro das igrejas,achando que estão pregando a palavra.Deus te abençoe.Ana(conselheira)