quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Rm 8 - Não há condenação. Sobre quem?

O capítulo 8 de Romanos começa com o seguinte verso, que é sobre o qual trataremos, principalmente:

"Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus [que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito]".


Algumas versões, por diferenças de tradução, não trazem no primeiro versículo a declaração entre chaves no primeiro verso, apenas no quarto. De qualquer forma, aqui ou ali, ela é coerente e não altera o sentido do todo.

Paulo acabara de tratar nos capítulos 5-7 sobre a nossa morte para o pecado e a vida para Deus, dizendo que somos participantes da morte de Cristo ao morrermos para nossas vontades e de sua ressurreição, ao renascermos para a vontade de Deus. Falou também sobre o poder da lei de fazer abundar o pecado e o poder do sacrifício de Cristo por nós, de superabundar a graça. E no capítulo 7, como reforcei no último post, ele fala sobre sua atitude voluntária de servir a Deus, que luta contra a vontade involuntária de seus membros de servir ao pecado.

E neste último ponto o verso 8.1 baseia-se para começar dizendo "Portanto(...)". Uma vez que já não servimos à lei dos nossos membros, mas à lei de Deus com o nosso entendimento, não há condenação sobre nós. Uma vez que fugimos do pecado com todas as nossas forças e nos esforçamos, em contrapartida, para obedecer à lei do nosso entendimento, que ativamente busca servir a Deus, não há condenação sobre nós.

Quantos não interpretam de forma errada os versos 7.15-25 e o 8.1 em diante? Ao olharmos para este texto, temos uma certeza: se queremos fazer a vontade de Deus acima da nossa, ele não nos acusa quando erramos. Não quer dizer que podemos pecar deliberadamente, mas justamente o contrário. Se andamos com ele, não vivemos na prática do pecado (I Jo 3.9). Quer dizer que, entregues à sua vontade, aqueles erros acidentais do caminho, que são cometidos por causa da nossa natureza carnal e não da nossa voluntária inclinação para a carne, não nos são motivos de acusação.

Muitos já se sentiram acusados por pecados com os quais, estou certo, nem mesmo o Senhor se preocupou com eles. Nenhum pecado na nossa vida é aceitável, claro. Mas quando pecamos nossa atitude deve ser de arrependimento, confissão, mudança de postura e continuidade da caminhada. Não é preciso parar no caminho por causa de um acidente, pois o próprio Deus não nos acusa. Ele não aprova o pecado e nos dá força para vencê-lo, mas não nos acusa.

A segunda parte do versículo 8.1 ou o verso 4, se preferirem, nos diz que a não-condenação incide sobre os que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito. Que nos esforcemos para isso. Relendo todo o texto que estudamos até aqui, entendemos que andar segundo o Espírito é consequente à nossa entrega a Cristo. O que, se ainda não aconteceu, deve acontecer agora. Caminhemos com ele, não sirvamos ao pecado, não paremos no caminho. Pois não somos acusados, graças a Deus.

Um comentário:

Anônimo disse...

Essa capítulo é o meu preferido na Bíblia! amei o texto! Parabéns!! Show!!
Arbç
Lê Valentim