segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Rm 13.1-7: A submissão (não-cega) às autoridades

O capítulo 13 de Romanos, na minha Bíblia, tem uma seta que sai do verso primeiro e aponta para uma anotação minha: ?? Hitler? Saddam? Mao Tse Tung? O primeiro verso diz:

"Toda pessoa esteja sujeita às autoridades superiores, pois não há autoridade que não venha de Deus. As autoridades que há foram ordenadas por Deus".

No restante deste trecho Paulo diz que as autoridades são ministros de Deus para o bem (13.3-4), não para o mal. Incentiva seus leitores a serem submissos à toda autoridade, pelo seu próprio bem social e também por causa do Senhor. Diz que se deve pagar tributo, temer e tributar honra às autoridades dignas disso.

Mas então, como fica o questionamento que tive no primeiro verso? Certamente ele foi influenciado pelo "bem" que recebeu das autoridades que o julgaram e o consideraram inocente, mas isso não é tão determinante para seu discurso. Paulo não fala sobre as autoridades que, ao invés de promover o bem, promovem o mal. Pouco depois de sua morte, um decreto de César já tornaria seu ensino difícil: o imperador passou a requerer para si honra e reconhecimento divinos de quaisquer cidadãos.

F.F. Bruce, um teólogo excelente e autor de um comentário muito bom de Romanos, diz que caso uma autoridade vá além dos mandamentos de Deus, ela está ultrapassando o limite da sua vocação, aquela da qual o primeiro verso fala. Toda autoridade vem de Deus e deve ser reconhecida como tal. Ela é agente de Deus para o bem, já disse o texto e aqui já reforcei; mas ao ultrapassar esta linha, é como se estivesse por sua própria conta. Caso o cristão seja confrontado entre a obediência às autoridades e a obediência a Deus, o texto de Atos 5.29 o norteia: "antes importa obedecer a Deus do que aos homens".

A Palavra de Deus é coerente e seus ensinamentos são bons para nós. A Bíblia não nos manda fazer nada ilógico - ao menos sem que isso faça sentido mais tarde. Mas este mandamento não tem nada de falho ou confuso: é simples e coerente. A submissão às autoridades se dá enquanto elas estão debaixo da Palavra de Deus e continuam sendo o que Paulo disse que são constituídas para serem: instrumentos do bem, agente punitivo para quem pratica o mal (social).

Vale reforçar: devemos estar submissos às autoridades até que elas contrariem a Palavra de Deus, não qualquer outra coisa. Jamais ouviremos a voz de Deus mandando-nos ir contra qualquer lei da Constituição que não esteja contra a sua Palavra Revelada, a Bíblia Sagrada. Qualquer absurdo que ouvirmos por aí, do tipo "Deus me mandou fazer isso" e "isso" for contra a lei... É absurdo mesmo!

Nenhum comentário: