terça-feira, 13 de setembro de 2011

Lc 12: O pedido que Jesus não respondeu

Em Lucas 12.13-21 vemos Jesus contar a parábola do rico insensato. Fala sobre um sujeito que começou a prosperar de tal forma em sua atividade agrícola, que seus celeiros já não suportavam a colheita. Então ele decide derrubar os celeiros atuais e construir outros, novos e maiores, capazes de armazenar seus produtos. O homem rico, então, diz à si mesmo que, tendo bens para muitos anos, agora deveria comer, beber e descansar.

Jesus chama este homem de louco. Questiona o que lhe aconteceria naquele momento, pois o dia de prestar contas a Deus chegaria ele não teria nada preparado para apresentar ao Senhor. E o que acumulara na terra ficaria para trás, sem nenhum proveito.

Quer uma ironia? A atitude desse homem é o projeto de vida de muitos de nós! Quantos não sonhamos em ter uma vida confortável, com bens suficientes para não nos preocuparmos com o lado financeiro e podermos nos aposentar cedo, ainda com saúde, para viajarmos pelo Brasil e mundo afora, curtir a vida um bocado, antes de morrermos? E Jesus condenou essa atitude...

Esta parábola foi contada por causa de um pedido que um homem da multidão fez à Jesus. Entende-se que ele estava em litígio com um irmão de sangue que não queria dividir determinada herança. Então ele pede ao Senhor que diga a seu irmão para reparti-la com ele. Jesus lhe dá uma dura resposta, questionando quem o havia posto por juiz ou "repartidor"entre eles. E então lhe conta essa parábola, dizendo que é tolo aquele que se preocupa em ajuntar bens, mas não é rico para com Deus.

Não podemos negligenciar tal verdade. Se nossa prioridade de vida for o conforto financeiro/material, não estamos vivendo com ou para Cristo. Logo adiante, no trecho de 12.22-34, o Senhor diz que não devemos andar preocupados com nossas necessidades básicas, de sobrevivência, pois ele nos supriria sem nenhuma falta. E entendemos que, de acordo com a pregação de Jesus, querer mais que o necessário é ser ganancioso. João Batista também deixou isso muito claro. Outro dia escrevi sobre sua fala aqui.

A Bíblia nos diz que não podemos servir a Deus e ao dinheiro. Nossos bens devem nos servir e ao Senhor. O princípio do discurso de Jesus para esse homem, em 12.15, começa dizendo para nos guardarmos da avareza, pois "a vida de um homem não consiste na abundância de bens que ele possui". Jesus não respondeu ao pedido daquele homem por conta de sua motivação. Outra ironia? Muitas "correntes de oração", campanhas, pedidos feitos nos cultos, etc., têm motivações como a desse homem. Podemos entender que a resposta já foi dada?

Preocupemo-nos com o Senhor e ele cuidará das nossas necessidades. Não precisamos temer isso, pois sua vontade, como Paulo nos diz em Romanos 12.2, é boa perfeita e agradável. Ele sabe o que é melhor para nós, por isso nos recomenda. Glória a Deus!

2 comentários:

Natinha disse...

Que palavra... Glária a Deus por sua vida!!!
Jesus continue abençoando!!!Abraçãooooo

Nivton Campos disse...

Amém, Natinha!

Glória a Deus por vc ter gostado. Espero que a leitura aqui te abençoe sempre.

Abração!