sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Ministério de sucesso ou Ministério X Sucesso?

O quinto capítulo do Evangelho de Lucas narra a ocasião em que Jesus chama seus primeiros discípulos. O faz num primeiro momento transformando a noite de pesca frustrada de Pedro, Tiago e João numa pesca farta. Eles então reconhecem o poder de Jesus e o seguem. Depois, chama Mateus (ou Levi) para segui-lo também. Mateus era um cobrador de impostos, alguém que os judeus discriminavam muito.

Entre esses dois chamados, Lucas nos conta que Jesus operara alguns milagres e que, por causa disso, a fama de Jesus se espalhava e muita gente o procurava para ouvi-lo e também para serem curados, como diz o verso 5.15. A reação de Jesus ao crescimento de sua fama é estranha, principalmente ao nosso tempo: "Ele, porém se retirava para lugares desertos e orava".

Jesus não era de dar bola pra multidão, ele priorizava seus discípulos. Vemos isso quando ele diz, por exemplo, que aos discípulos era revelado o que à multidão era escondido (Mt 13.10-23). Aqueles que o seguiam eram curados, ouviam seus ensinamentos, recebiam até alimentos, como foi na multiplicação dos pães. Mas Jesus priorizava o discipulado que estava fazendo, pois dali sairiam aqueles que dariam continuidade à sua obra.

O que mexia com Jesus era o seu relacionamento com Deus, não a sua fama. O que o motivava era a obra que ele fazia, não o sucesso que isso lhe proporcionava. Diante da fama, ele se isolava e ia orar. O sucesso parecia ser algo do qual Jesus corria, sua fama rivalizava com o seu ministério.

Outro dia ouvi de um jovem que seu sonho era ser um pregador de renome. Para quê? Jesus teve renome, óbvio, mas sua preocupação não era essa. Talvez, pelo exemplo de Jesus, devamos repensar nosso conceito de sucesso ministerial. Sermos bem sucedidos ministerialmente está mais ligado a quantas vidas transformaremos pelo caminho do que ao reconhecimento que teremos por isso.

Ao invés de pensarmos num ministério de sucesso, passemos a buscar sucesso no exercício do nosso ministério, a despeito da fama, do reconhecimento e/ou da(s) recompensa. Preocupemo-nos com o nosso relacionamento com o pai e com aqueles que discipulamos. Assim, estaremos mais próximos de alcançar um ministério como o de Jesus.

Nenhum comentário: