quarta-feira, 21 de setembro de 2011

A justiça de Cristo sobre os falsos religiosos

Acredito já ter dito isso em outro momento aqui, mas já repararam que Jesus pega mais pesado com os religiosos do que com qualquer outro grupo? Os fariseus, saduceus, escribas e sacerdotes eram aqueles a quem Jesus dirigia suas mais duras palavras, pois eles julgavam conhecer o caminho do Senhor, mas desprezavam a prática da justiça e preferiam sua religião e status a ética, moral e devoção.

Em Lucas 20.41-47 Jesus faz mais um duro discurso contra os escribas, no qual ele nos mostra duas de suas características. Primeiro, que eles tinha uma expectativa errada sobre o Messias. O Mestre diz que o Cristo é maior do que Davi, mostrando que até mesmo Davi se submetia ao Cristo que viria. Isso é difícil para um judeu que olhava para a lei e os profetas de forma literal, pois esperavam uma libertação política de Israel por meio do Cristo. Sendo ele filho de Davi, levaria de volta a Israel a época de ouro de seu reinado. Jesus, apesar de ser descendente de Davi, diz não poder ser chamado seu filho, pois lhe é superior e não dá continuidade à sua obra no sentido que os escribas, neste caso, entendiam.

Segundo, os escribas eram religiosos que gostavam de ter destaque e honra entre o povo, buscando os primeiros lugares nas reuniões religiosas e nos banquetes. Gostavam da pompa que sua posição lhes permitia usurpar. E ainda "devoravam as casas das viúvas, fazendo, por pretexto, largas orações" (vs. 20.47). Para estes, que se portavam como quem merecesse honra, mas exploravam os mais simples com um pretexto religioso, Jesus diz que haverá maior condenação, no fim do mesmo verso.

Isso é promessa de Deus. Boa para alguns, que têm sede de justiça e serão saciados. Terrível para outros, que se encontram no papel dos escribas: tendo uma expectativa/compreensão errada de Jesus (ou pregando-o assim) e que usam a religião para explorar pessoas bem intencionadas. Não preciso usar exemplos para que você identifique vários grupos que se encaixam nessa descrição. A própria polêmica que ronda nosso meio nos últimos dias nos lembra um bocado disso...

O Senhor é justo. E podemos esperar descansados, que sua justiça alcançará tanto o oprimido, para alívio, quanto o opressor para condenação. Apenas busquemos fazer o oposto dos escribas: compreendamos e preguemos a Jesus corretamente e usemos de bondade para com quem precisa. Assim, sua justiça será um alívio para nós.

2 comentários:

Ana Cristina disse...

Estou achando muito bom seus estudos sobre a palavra de Deus.Precisamos de pessoas como vc.Que estão tentando agir como Verdadeiros Cristãos.Continue nessa linha, pois tenho certeza que o Senhor está feliz com vc.Um abraço!
Ana Cristina(conselheira)

Nivton Campos disse...

Olá, Ana! Fico muito feliz mesmo que o blog tem te abençoado.
Obrigado pelo apoio. Que o Senhor nos abençoe e fortaleça, ensinando-nos sempre.
Abração!