sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Sucesso ministerial, segundo João

Tenho tentado limitar-me a uma publicação por capítulo na leitura do Evangelho de João. No capítulo 10 encontrei um desafio, mas fiz uma difícil escolha pelos dois últimos versos, 41-42.

Após dizer ser o bom pastor, que dá a vida pelas ovelhas (10.11) e lhes concede a vida eterna (10.28), Jesus é novamente perseguido pelos judeus (10.39). Então ele se retira para o lugar em que foi batizado por João Batista, permanecendo ali durante algum tempo (10.40).

O que João diz no vs. 41, após tudo isso, é o que me chama a atenção:

"Muitos iam procurá-lo e diziam: Embora João não tenha feito nenhum sinal miraculoso, tudo o que ele disse a respeito deste homem (Jesus) era verdade. E muitos ali creram nele".

Em abundantes referências, João está deixando claro para nós o propósito dos sinais que Jesus fazia: levar o povo a crer nele (2.11; 2.22-23; 4.48; 5.36; 6.14; 7.31; 9.16-17; 9.32-33; 10.20-21, 25, etc.). Ao contrário de Jesus, que fez vários milagres, João apenas pregou sobre o arrependimento necessário para se receber o reino de Deus, vindo através de Jesus, que ele entendia ser o Cristo.

Há muitos hoje através dos quais Deus opera milagres e tantos outros que não. Mas, tenhamos nós um ministério de um jeito ou de outro, nosso objetivo é comum aos exemplos de João Batista e de Jesus: levar muitos a crerem nele. Os sinais que operarmos ou a mensagem que pregarmos têm este único objetivo.

Os sinais de fato acompanharão aqueles que crerem. Mas devemos estar conscientes que, apesar de João não ter operado milagres, o maior dos sinais estava com ele: pessoas se arrependeram de seus pecados e creram nas palavras de Jesus. Eis aí um ótimo parâmetro para medir o nosso "sucesso ministerial": quantos estão crendo em Jesus através do que fazemos/dissemos

Nenhum comentário: