segunda-feira, 14 de março de 2011

O que Deus espera de nós quando Ele é nossa única esperança?

Mensagem ministrada no culto Manhã com Deus, na Igreja Batista Getsêmani, dia 13/03/2011.


O objetivo desta mensagem é refletirmos e sermos motivados a colocar diante de Deus situações problema instauradas em nossas vidas para as quais, de alguma forma, dependamos exclusivamente de Deus para as solucionarmos.

Basicamente, duas situações podem nos ter conduzido ao ponto de chamarmos nosso problema de difícil, impossível:

Podemos ter sido acometidos por alguma fatalidade da vida. Pode ser que algo inesperado, imprevisto, nos alcançou e fez com que nos víssemos numa situação para a qual não vemos solução.

Pode ser um prejuízo financeiro, um problema de saúde, uma questão complicada no casamento, outro problema familiar ou de relacionamento que nos traz consequências indesejadas e às vezes insuportáveis.

Podemos ilustrar com o caso das pessoas no Japão ou daquelas que têm parentes por lá. Uma catástrofe natural gerou uma demanda de solução além do alcance daquele que precisa. O que fazer ao não conseguir contato com um filho que está a meio mundo de distância, numa terra consumida por um desastre? Confiar em Deus é a única saída para tal situação.

Outra possibilidade é a de termos tomado decisões que nos trouxeram consequências inesperadas e com demandas além das nossas possibilidades. Neste caso, devemos também confiar em Deus, mas agirmos para reparar tudo o que for possível. Uma vez que uma atitude nossa desencadeou um problema, provavelmente uma reação também nossa seja capaz de resolver boa parte dele.

Seja a sua situação qualquer uma destas, se você se encaixa na necessidade de orar a Deus sobre qualquer situação para a qual não se vê uma solução ao seu alcance, um fato é que a dependência de Deus está muito clara para você. Somente ele, nesta situação, pode dar o escape, o recurso, a solução necessária.

Na necessidade de uma intervenção de Deus na nossa vida, ficamos preocupados. O que devemos fazer para que Deus aja em nosso favor? Devemos fazer algo? Deus está mesmo no controle desta situação? Questionamos.

Vale lembrar de alguns exemplos clássico das Escrituras. Abraão recebeu a promessa de que sua esposa lhe daria um filho. Isso aconteceu quando ele já estava com cem anos. José tornou-se governador do Egito. Porém, antes disso, foi vendido como escravo, tentado, injustiçado e preso. Davi foi o maior e melhor rei que Israel já teve. Ele organizou o exército da nação e a organizou politicamente. Venceu guerras e expandiu o território. Antes disso, porém, foi perseguido por alguém muito maior e mais forte do que ele, o rei Saul, e injustamente. Fora perseguido por aquele a quem ele devotava serviço. Precisou enfrentar o gigante e lutou contra ursos e leões.

Estes são alguns poucos exemplos bíblicos de pessoas que passaram por imensas dificuldades, mas que a seu tempo receberam o que Deus tinha para elas. Nossa postura diante de situações complicadas deve imitar a destes homens de Deus.
O salmo 42 nos mostra uma situação problema vivida pelo salmista que o escreveu. O que este salmista aprendeu com sua tribulação e como se portou diante dela, nos guiará por esta reflexão.

Texto
Salmo 42
1 Como a corça anseia por águas correntes, a minha alma anseia por ti, ó Deus.
2 A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo. Quando poderei entrar para apresentar-me a Deus?
3 Minhas lágrimas têm sido o meu alimento de dia e de noite, pois me perguntam o tempo todo: "Onde está o seu Deus?"
4 Quando me lembro destas coisas choro angustiado. Pois eu costumava ir com a multidão, conduzindo a procissão à casa de Deus, com cantos de alegria e de ação de graças entre a multidão que festejava.
5 Por que você está assim tão triste, ó minha alma? Por que está assim tão perturbada dentro de mim? Ponha a sua esperança em Deus! Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e o meu Deus.
6 A minha alma está profundamente triste; por isso de ti me lembro desde a terra do Jordão, das alturas do Hermom, desde o monte Mizar.
7 Abismo chama abismo ao rugir das tuas cachoeiras; todas as tuas ondas e vagalhões se abateram sobre mim.
8 Conceda-me o Senhor o seu fiel amor de dia; de noite esteja comigo a sua canção. É a minha oração ao Deus que me dá vida.
9 Direi a Deus, minha Rocha: Por que te esqueceste de mim? Por que devo sair vagueando e pranteando, oprimido pelo inimigo?
10 Até os meus ossos sofrem agonia mortal quando os meus adversários zombam de mim, perguntando-me o tempo todo: "Onde está o seu Deus?"
11 Por que você está assim tão triste, ó minha alma? Por que está assim tão perturbada dentro de mim? Ponha a sua esperança em Deus! Pois ainda o louvarei; ele é o meu Salvador e o meu Deus.

O salmista escreve devido a uma situação difícil pela qual está passando. Difícil a ponto de dizer que seus ossos doem mortalmente; seu problema é grave o suficiente para lhe afetar o físico. É como termos dores de cabeça por estarmos preocupados. Torcicolo por estarmos tensos e outros sintomas psicossomáticos.
Refletindo sobre este salmo, porém, entenderemos que é nosso dever colocar Deus em primeiro lugar, mesmo nas situações mais impossíveis.

O que esta reflexão irá nos propor é que, por maior que seja a nossa dificuldade, temos motivos suficientes para não sermos abalados.

A postura do salmista diante de tudo isso, porém, tem muito a nos ensinar. Através de seu desabafo, neste salmo, vemos 3 consequências na vida do salmista causadas pela dificuldade pela qual passava. E vemos também 3 atitudes dele que garantem um bom desfecho para esta situação. Vejamos.

1ª consequência da tribulação na vida do salmista: tristeza profunda – vs. 3
O salmista sentiu-se tão abalado por esta situação que chorava de dia e de noite. Por dizer que as lágrimas se tornaram seu alimento, podemos entender que ele não comia bem naquele momento. Sua tristeza o leva a pensar que Deus está longe. Tem a impressão de que seu sofrimento não é visto pelo Senhor, ele pensa estar sozinho no barco.

2ª consequência: esfriamento espiritual – vs. 4
Os tempos em que o salmista servia a Deus são lembrados com saudade. Conduzir o povo a adorar a Deus, alegrar-se por causa do Senhor já não é uma constante em sua vida. Facilmente muitos se identificarão com isso.

3ª consequência: dúvida da presença de Deus na dificuldade – vs. 9-10
A impressão que o autor sagrado tem é de que Deus se esqueceu dele. Se Deus está presente, lhe parece sem sentido seu choro por causa da opressão pela qual está passando. Seus espectadores, que não reconhecem o agir de Deus em sua vida, lhe fazem sofrer.

Tudo isso acometeu o salmista na sua dificuldade. Porém, sua postura não está limitada às dificuldades pelas quais passou. Algumas atitudes tomadas pelo autor nos servem de exemplo. Vejamos:


1ª atitude correta do salmista: mesmo na dificuldade, amar a Deus loucamente – vs. 1-2
O primeiro verso do salmo nos dá a impressão de que o salmista tratará de qualquer coisa, menos de um problema. Ele começa a dizer que está passando por um momento difícil declarando seu amor ao Senhor e dizendo-se ansioso por lhe oferecer algo, por lhe prestar culto.

Qualquer dificuldade pode nos acometer. Mas o que não pode mudar é o nosso sentimento em relação a Deus. Nossa devoção deve permanecer inabalável.

2ª atitude: a dificuldade o motiva a buscar a Deus – vs. 6
A alma do salmista estava muito abatida. Por isso, diz, ele se lembrará do Senhor em todo lugar, em todo o tempo. Por causa do problema que o aflige, ele se lembrará do Senhor.

3ª atitude: seu amor e devoção ao Senhor eram maiores do que o seu problema – vs. 1, 5, 11.
O salmista amava tanto a Deus, era um servo do Senhor tão dedicado e consciente, que tinha plena convicção de que sua aflição era injustificada. Não importava quão terrível podia ser o seu problema; sua certeza era de que a sua alma podia sim, descansar.

Por que estás abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro em mim?
Espera em Deus, pois ainda o louvarei, meu Salvador e Deus meu.

O autor do salmo estava tão mais ocupado com Deus do que com seu problema, que ele nem nos apresenta o que lhe aflige; mas está muito claro o que lhe consola.

O Senhor nos deve ser suficiente. Se algo tem que ocupar a nossa mente, se há lugar para preocupações no nosso coração, que este lugar seja ocupado pela palavra de Deus e pela certeza de que ele está conosco.

A seguir, alguns versos que podem nos tranquilizar e lembrar-nos de que podemos confiar em Deus para dar conta de nossas necessidades. Segue:

Salmo 121

1 Elevo os meus olhos para os montes; de onde me vem o socorro?
2 O meu socorro vem do Senhor, que fez os céus e a terra.
3 Não deixará vacilar o teu pé; aquele que te guarda não dormitará.
4 Eis que não dormitará nem dormirá aquele que guarda a Israel.
5 O Senhor é quem te guarda; o Senhor é a tua sombra à tua mão direita.
6 De dia o sol não te ferirá, nem a lua de noite.
7 O Senhor te guardará de todo o mal; ele guardará a tua vida.
8 O Senhor guardará a tua saída e a tua entrada, desde agora e para sempre.

Mateus 6

31 Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que havemos de comer? ou: Que havemos de beber? ou: Com que nos havemos de vestir?
32 (Pois a todas estas coisas os gentios procuram.) Porque vosso Pai celestial sabe que precisais de tudo isso.
33 Mas buscai primeiro o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.


Filipenses 4

6 Não andeis ansiosos por coisa alguma; antes em tudo sejam os vossos pedidos conhecidos diante de Deus pela oração e súplica com ações de graças;
7 e a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus.

Salmo 127

1 Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela.
2 Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão de dores, pois ele supre aos seus amados enquanto dormem.

Cientes de tudo isso, perguntemos à nossa alma: Por que estás abatida? Por que te afliges? Confie no Senhor. Confie no Senhor, pois ainda o louvarei por essa situação.

Deus espera que confiemos nele, a ponto de nosso problema não ser tão grande quanto seu senhorio sobre nós. Se temos a Cristo por Senhor, sabemos que até nas situações mais indesejadas da nossa vida somos guiados por Ele. Se esperamos nele e somente nele está a nossa fonte, agiremos de forma a satisfazer primeiro a sua expectativa sobre nós. Assim, sabemos que o agradaremos.

A exemplo do salmista, independente da situação que atribule a nossa alma, nossa devoção, amor, dedicação e ocupação serão para Ele.

Um comentário:

Pastor Afonso disse...

Olá, meu brother Nivdo Campos, realmente esqueci de inserir que o texto é de Mark Driscoll detalhe né kkkk, se bem que citei de onde o colei
.
Valeu messssssmo
.
Mto agradecido e na paz de NSJC