sábado, 15 de janeiro de 2011

Escândalo! - Um pouco de exegese

Mateus 18.7:
“Ai do mundo, por causa dos escândalos! É necessário que venham escândalos, mas ai do homem por quem o escândalo vier”.

II Cor 8.13:
“Pelo que, se a comida escandalizar a meu irmão, nunca mais comerei carne, para que meu irmão não se escandalize”.

O que entendemos sobre o escândalo ao lermos estes dois versos? Estas são as passagens mais comumente usadas para se falar sobre este tema no Novo Testamento e normalmente recebem uma interpretação que merece ser chamada no mínimo de simplista. Gostaria de expor uma pequena investigação baseada no significado do termo “escândalo” no seu texto original.

A interpretação mais comum entende que o escândalo é provocado quando algum irmão comete um ato capaz de abalar a outro que considera aquilo inapropriado, indevido, pecaminoso ou ilícito. Ingerir bebida alcoólica, por exemplo, ouvir determinados tipos de música ou frequentar ambientes não tão comuns a cristãos. Causar este espanto no outro com o próprio comportamento é a aplicação mais comum do conceito geral de escândalo.

Analisando estes textos um pouco mais a fundo, vemos que a aplicação pode até passar por caminhos semelhantes, mas o conceito é um bocado diferente.

A palavra usada para escândalo no texto de Mateus 18.7 é vista com o mesmo significado nos seguintes textos, que deixarei para que você leia em sua própria Bíblia: Mt 16.23; Lc 17.1; Rm 14.13; 16.17; Ap 2.14. Em todas estas passagens a palavra escândalo (translitera-se skándalon, do grego) está significando tentação ao pecado, incitamento.

A Nova Versão Internacional (NVI) faz uma tradução melhor do que as mais tradicionais:

"Ai do mundo, por causa das coisas que fazem tropeçar! É inevitável que tais coisas aconteçam, mas ai daquele por meio de quem elas acontecem!"

Neste texto, o escândalo deve ser interpretado como uma pedra de tropeço, uma situação, atitude ou qualquer outra coisa que conduza alguém ao pecado. Então, escandalizar alguém, segundo o texto de Mateus e os semelhantes relacionados acima, significa de alguma forma conduzir esta pessoa ao erro, ao pecado, servir-lhe de tentação, tropeço.

No texto de I Cor 8.13, a palavra com o mesmo significado vai ocorrer nestas outras passagens, que também deixarei para que você leia por sua conta: Mt 5.29-30; Mc 9.42-47. Neste caso, a palavra sofre uma pequena modificação em relação à primeira, sendo transliterada como skandalítso, e significa fazer alguém ser apanhado ou cair, fazer pecar.

Novamente, a NVI traz uma tradução melhor:

“Portanto, se aquilo que eu como leva o meu irmão a pecar, nunca mais comerei carne, para não fazer meu irmão tropeçar”.

As traduções para os dois textos e seus equivalentes são muito semelhantes. Podemos dizer que de uma forma geral, escândalo no Novo Testamento significa não simplesmente causar estranhamento no próximo por causa do seu comportamento, mas ter qualquer tipo de atitude que facilite ou conduza o irmão ao erro, ao pecado.

Talvez as traduções mais antigas tenham se apegado ao cognato de skandálon e skandalítso, confundindo um pouco a compreensão do leitor. O significado do termo em português não se assemelha tanto com o grego quanto a sua pronúncia. O dicionário Aurélio define escândalo nos seguintes termos: “Coisa indecorosa, contrária aos bons costumes. / Estado de perplexa indignação suscitado por palavra ou ato reprovável: com grande escândalo do auditório.”

Portanto, interpretemos de forma mais completa estas passagens e suas implicações. A aplicação delas não sofre muita alteração, mas a partir da consciência de seu significado pleno, ganha maior validade: não vou aderir a determinado comportamento porque posso de alguma forma levar um irmão que tem a consciência diferente da minha a pecar. Não porque isso pode de alguma forma assusta-lo, simplesmente, mas porque pode leva-lo a aderir a uma prática que, em sua consciência, pode ser condenável. Assim, a instrução do Apóstolo Paulo no texto completo de I Cor 8 fica muito mais viva para nós.